PRECISA SER ASSIM?

Todos os dias, nas ruas ou nas mídias, nos deparamos com situações que nos fazem questionar: precisa ser assim?   O aumento da população, o acesso facilitado aos bens de consumo, a economia baseada na produção e venda de bens e serviços e os impactos ambientais dela decorrentes levantaram a necessidade de um movimento mundial pela produção e pelo consumo sustentáveis. 

 

Isso significa que devemos parar de consumir? Não, mas que é hora de aprendermos mais sobre o que estamos consumindo. O objetivo maior do Instituto Precisa é divulgar essas informações. A decisão de consumir, ou não, é sua.

PARTICIPE DESTA CAMPANHA

Todos temos oportunidades de fazer melhores escolhas e cada um de nós tem uma experiência diferente que pode ser compartilhada. Conte a sua, comente.

TRABALHOS ACADÊMICOS

Quem somos nós para questionar um norma ABNT que estabelece que um trabalho acadêmico precisa ter páginas e páginas, algumas duplicadas, algumas pouco escritas e nenhuma em frente e verso?

 

O lado bom é que uma norma ABNT é revisada, analisada criticamente e publicada em nova edição se adaptando às evoluções da sociedade. O uso crescente de tablets no meio universitário tem trazido transformações em nossa maneira de produzir conhecimento. 

 

Aos educadores cabe o questionamento sobre o material que é usado, privilegiando as bases virtuais sempre que for possível deixar de imprimir uma folha. Além de papel, economizamos tinta e valorizamos o movimento pelo uso racional de nossas florestas.

EXAMES CLÍNICOS

A qualidade do exame não será melhor se for apresentado em uma pasta plastificada (que dificulta a reciclagem), dentro de um envelope branco, no interior de um saco plástico. Páginas impressas em frente e verso, grampeadas e entregues em um envelope simples apresentarão o mesmo resultado. 

 

Se é difícil melhorar os níveis do colesterol, repensar a apresentação de resultados de exames pode melhorar os níveis de reciclagem e certamente diminuir os níveis de resíduos nos aterros sanitários abarrotados de produtos que não precisam ser usados.

EMBALAGENS DE PRESENTE

Você sabia que as embalagens aluminizadas muito usadas para presentes não são recicláveis? O papel aluminizado é importante para embalar alimentos porque ajuda a conservá-los, mas o seu uso em outros itens como embalagens de presente e calendários é completamente dispensável.

 

Então, por que são oferecidos nas lojas? Porque aceitamos comprar. 

 

Escolha embalagens de presente recicladas, recicláveis ou escolha não embalar o presente. Alguns produtos são apresentados em embalagens tão interessantes que sequer necessitam embrulho. Um cartão com palavras de carinho vale muito, se for reciclado valerá ainda mais.  

PRODUÇÃO DE EVENTOS

Sejamos francos, a produção de eventos é campeã de geração de resíduos dificilmente reaproveitáveis e recicláveis. Casamentos, batizados, formaturas, inaugurações, premiações, homenagens, carnaval, um desfile de consumo inútil de breve duração. Por outro lado e pelo mesmo motivo, a produção de eventos gera empregos e contribui com o aquecimento da economia. Mais do que isso, comemorações aproximam pessoas, criam histórias, garantem recordações memoráveis e reforçam culturas.

 

Celebrar a vida é essencial. O que a gente pode fazer é estar atento aos materiais utilizados, sejam nos convites, nos brindes, nos presentes e na decoração.   Na escolha do que será usado, cabe sempre avaliar: Precisa?

SE PAPEL ALUMINIZADO NÃO É RECICLADO POR QUE É USADO?

Por que usamos embalagens de alimentos aluminizadas se elas não são recicladas? Porque garantem melhor conservação de alimentos. Biscoitos, chocolates e sobremesas se mantêm mais frescos assim. O problema surge quando usamos papel aluminizado para itens que não dependem de suas propriedades fototérmicas. É o caso das embalagens de presente, de brindes e de saquinhos de utilidades diversas.

 

Qualquer material de difícil reciclagem precisa ter produção exclusiva para os fins de sua aplicação. Além do papel aluminizado, isso vale para o isopor, para o filme fotográfico, para os adesivos, para os tecidos, para o acrílico, para a espuma e papeis plastificados.   Se não dá para reciclar, vamos evitar. 

CORRA PARA OS BRINDES

Campanhas de atitudes saudáveis se multiplicam e envolvem novos adeptos a cada edicão de corrida, maratona ou caminhada. Na hora da inscrição, o cadastramento garante uma sacola de brindes. De garrafinhas a toalhas de mão, de camisetas a medalhas, os participantes acumulam os muitos brindes que recebem e já não comportam tanta mochila, garrafa e toalhinha.

 

Os produtores de eventos, por sua vez, sabem que pessoas gostam de ganhar presentes e no desejo de agradar consumidores produzem mais e mais brindes, inuteis ou não,  que já não acham espaço nos quartos dos competidores e são distribuídos a amigos, parentes e vizinhos.   

 

Vamos praticar atitudes saudáveis? Então, menos brindes.

DIGA NÃO AO ISOPOR   

Mesmo sendo reciclável, o isopor tem em seu volume uma característica que dificulta esse processo. Mas evitá-lo quando há outras opções é possível e recomendado. Mas, em quais situações podemos evitar o uso de isopor, reduzindo sua produção?

 

Na embalagem para proteção dos grandes eletrodomésticos ele é fundamental. Nas porções fracionadas de carne também protege o produto embalado, embora a cidade de Nova Iorque seja pioneira na proibição para esse fim (Resolution to ban sale of polystyrene and its use for food packing in NYC).

 

O uso de descartáveis em festas e eventos pode evitar o uso do isopor. Algumas empresas de transporte de encomendas já trocaram o isopor pelas almofadas de ar, mostrando que a criatividade pode ajudar a solucionar problemas ambientais e ainda reduzir custos operacionais (saiba mais).

 

As escolas também podem fazer sua parte na sugestão dos famosos trabalhinhos para feiras de ciências e materiais usados no desenvolvimento da psicomotricidade. Os produtores de eventos possuem papel fundamental, pois o isopor é campeão de uso em eventos de curta duração. Quando no supermercado, incluirem isopor nos frios que você comprar fatiado, não deixe de questionar: Precisa?

PROSA OU VERSO? FRENTE E VERSO? 

Chegaram os computadores, chegaram as impressoras domésticas, chegaram os tablets, mas a previsão de que a tecnologia pouparia papel, gerando menos impressões ainda não se concretizou. Jornais famosos sairam das ruas e migraram para exclusiva plataforma online, os e-books já são realidade e em algumas instituições de ensino o material didático é oferecido em tablets.

 

Em algum momento, a preocupação com a impressão de papel se transformará em preocupação com lixo eletrônico, mas enquanto isso não chega, usar papel racionalmente é fundamental: imprimir frente e verso, dar preferência ao reciclado, desprezar o plastificado (de difícil reciclagem),  evitar o alvejado. Vale verso e prosa para estimular a reciclagem, incluir embalagens e assumir, em relação ao ambiente, o melhor papel.

OS RESÍDUOS PERIGOSOS DE TODOS OS DIAS

As indústrias possuem a obrigação de destinar de maneira adequada seus resíduos perigosos.  Alguns são incinerados, outros lacrados em aterros industriais, outros digeridos por microorganismos específicos para esse fim.  E em casa? Como tratamos os resíduos perigosos? Num planeta de 7 bilhões de habitantes, somos abastecidos pela indústria química com medicamentos, produtos de limpeza, toner para impressoras, tintas diversas, esmaltes e removedores. Pela indústria eletrônica, consumimos pilhas, baterias e produtos com componentes que sequer conhecemos mas de periculosidade comprovada.

 

Como destinar corretamente os resíduos perigosos que saem de nossas casas? Como garantir o destino ambientalmente adequado para todo esse arsenal de eletroeletrônicos e produtos químicos? O primeiro passo é conhecer que produtos são esses e acondicioná-los corretamente para o descarte.

QUEM REUTILIZA, TAMBÉM SENSIBILIZA.

Reutilização nada tem a ver com reciclagem. E reciclagem nada tem a ver com arte. Reciclagem procura destinar produtos que podem voltar ao processo produtivo para a fabricação de novos produtos. É o que acontece com garrafas pet e latas de alumínio. Reutilizar é aproveitar um determinado item para outro fim diferente do original. Reutilizar ajuda a evitar o envio de muito material para o lixo. 

 

Projetos na cidade de Petrópolis, conhecida por suas muitas confecções e malharias, reutilizam as sobras das confecções em trabalhos de vocação ambiental e social. Enquanto fazem arte e decoração, esses projetos aumentam a inclusao social, gerando trabalho e renda. São conhecidos o Recicla Tecidos e a Casa de Cultura Cocco Barçante com trabalhos que dão show de arte e atitude ambiental.